Partido Socialista Unido da Venezuela ganha eleições municipais

Por: Maria Josefina Arce

A revolução bolivariana obteve outra vitória ao vencer o governista Partido Socialista Unido da Venezuela nos pleitos municipais realizados no domingo, 9 de dezembro conseguindo mais de 90 por cento dos cargos em disputa.

Na hora de divulgar os resultados, a presidente do poder eleitoral, Tibisay Lucena, afirmou que ganha o povo da Venezuela com uma democracia que se fortalece dia a dia.

Segundo os resultados, o Partido Socialista Unido da Venezuela obteve 591 dos cargos nos conselhos municipais, enquanto que outras coalizões e organizações políticas obtiveram 32 postos.

A jornada eleitoral foi tranquila, merece destaque o papel desempenhado pelas autoridades da mesa para agilizar o processo e elucidar dúvidas do eleitorado.

O presidente Nicolás Maduro convocou os novos vereadores a enfrentarem os problemas e trabalhar pelo bem das comunidades e de todos os moradores, que é, afinal de contas, o objetivo da Revolução Bolivariana.

A oposição quis diminuir a importância da vitória do partido governista dizendo que a abstenção tinha sido alta, mas não se lembrou de um detalhe: esse fenômeno é normal na América Latina nas eleições desse nível.

Como de costume, antes dos pleitos, a direita, apoiada pela oligarquia latino-americana e financiada por círculos de poder dos Estados Unidos, lançou campanha para desestabilizar o governo eleito democraticamente.

Esses ataques contra a Revolução Bolivariana não são novos. Começaram em 1999, quando Hugo Chávez triunfou e assumiu a presidência e foram endurecendo contra o governo de Nicolás Maduro.

Porém, a Venezuela demonstrou que seu sistema eleitoral é seguro e fiável. Representantes de organismos regionais admitem que é um dos melhores da região.

Nessa direção, se pronunciou o Conselho de Peritos Eleitorais da América Latina, que manifestou que o sistema venezuelano é automatizado e pode ser auditado, portanto, os resultados nunca puderam ser rebatidos formalmente com denúncias dignas de serem investigadas.

As autoridades eleitorais ratificaram algumas horas antes dos pleitos que o Poder Eleitoral tinham cumprido todas as auditorias previstas, como sempre tinha feito nos processos anteriores.

De resto, o governo venezuelano sempre respeitou os resultados das mais de 20 eleições que aconteceram no país desde a vitória da Revolução Bolivariana.

Assim ocorreu, por exemplo, no referendo de 2007 para reformar a Constituição, uma proposta governamental que foi rechaçada por estreita margem.

No domingo, 9 de dezembro, o povo venezuelano, de maneira livre e soberana, pôde escolher de novo com seu voto a pessoa melhor capacitada e com mais desejo de trabalhar pelo seu bem-estar. Por isso, não surpreende que tenha vencido o Partido Socialista Unido da Venezuela e que a oposição insistido em supostas fraudes que, como sempre, se comprovou não passaram de pura raiva.

Editado por Lorena Viñas Rodríguez



Comentários


Deixe um comentário
Todos os campos são requeridos
Não será publicado
captcha challenge
up