Cuba pede à ONU investigação sobre evento anticubano em sua sede

Havana, 17 de outubro (RHC).- Cuba pediu à ONU uma investigação rigorosa e urgente sobre o evento anticubano realizado ontem na sede do organismo internacional, em Nova Iorque.

Nota da Chancelaria denuncia que os EUA organizaram a atividade para atacar Cuba em matéria de direitos humanos, e pede à entidade adotar as medidas pertinentes e prever novos atos agressivos contra Estados soberanos.

O texto aponta que o que ocorreu lá foi uma farsa, uma provocação da qual participaram o secretário-geral da OEA – Organização de Estados Americanos, Luis Almagro, e um ex-chefe do Escritório de Interesses dos EUA em Havana, ligados a elementos apátridas financiados pelo Bureau de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento norte-americano de Estado.

A chancelaria cubana ressaltou que representantes de 11 países rechaçaram explicitamente o ato de difamação na sede da ONU e sublinhou o apoio dado pelos diplomatas da Bolívia, Venezuela e Nicarágua. Indicou que o governo norte-americano violou as regras para o uso das salas e espaços na sede do organismo internacional e chama a atenção para o fato de ter ocorrido duas semanas antes da votação na Assembleia Geral de uma nova resolução que pede o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos EUA a Cuba desde o começo dos anos 60.

Referindo-se ao incidente, o presidente da Bolívia, Evo Morales, condenou a postura de Washington. “Se os EUA quiserem falar em direitos humanos, primeiro deverão suspender o bloqueio criminoso imposto a Cuba por mais de 50 anos”, postou Morales em sua conta no Twitter.

Editado por Lorena Viñas Rodríguez



Comentários


Deixe um comentário
Todos os campos são requeridos
Não será publicado
captcha challenge
up