Radio Havana Cuba

Uma voz de amizade que percorre o mundo

  • Siga-nos em

#NoMasBloqueo #SolidaridadVsBloqueo

Chanceler cubano denuncia manipulação política do programa “Mais Médicos” no Brasil

Havana, 17 de novembro (RHC).- O chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez, tachou de inaceitável a manipulação política do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, a programas humanitários e causas sagradas como o direito à saúde.

Em declarações a Prensa Latina e à rede Telesur, Rodríguez disse que toda a responsabilidade pelo fim da participação no plano “Mais Médicos” é das novas autoridades, por sua postura com os médicos cubanos que prestam seu serviço nesse país.

“Insulta e surpreende que tenha chamado as médicas cubanas – que representam cerca de 60% do pessoal – de 'mulheres vestidas de branco', além da imposição de condições totalmente inaceitáveis que violam os acordos assinados entre a Organização Pan-americana da Saúde, o Brasil e Cuba”, apontou o ministro das Relações Exteriores.

Considerou indignante e inaceitável chamar de “escravos” os médicos cubanos, e sublinhou que a situação terá consequências dolorosas para milhões de famílias brasileiras de baixa renda, as quais reiterou a solidariedade de Cuba.

Rodríguez lembrou que hoje trabalham no Brasil mais de 8.000 profissionais da saúde cubanos, e não nas cidades mais povoadas, nem nas praias do Rio de Janeiro ou em zonas residenciais de São Paulo ou Brasília. Eles trabalham no norte semiárido, nos municípios rurais e nos distritos indígenas, onde garantem o atendimento a mais de 90% dessa população, apontou o chanceler.

Bruno Rodríguez falou que o próximo governo do Brasil não tem a menor autoridade moral para questionar Cuba em nenhum âmbito, nem no da cooperação médica internacional nem no dos direitos humanos.

No Brasil, o médico e professor Arthur Chioro, que foi ministro de Saúde no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff, disse que boa parte do sistema de atenção no país poderia colapsar com o fim do programa “Mais Médicos” depois do fim da participação de Cuba no projeto de assistência primária.

Chioro indicou que a situação significa uma tragédia na vida e na saúde de 30 milhões de brasileiros. Sublinhou que o vexame internacional impacta na relação do Brasil com a Organização Pan-americana da Saúde e gera um cenário de desconfiança generalizada nas relações com outros países que participam de programas na área de saúde.

Editado por Lorena Viñas Rodríguez
Comentários
Deixe um comentário
Contador de Visitas

6272578

  • maxima: 19729
  • yesterday: 3739
  • today: 625
  • online: 107
  • total: 6272578