Vice-Presidente norte-americano focaliza Venezuela em sua recente viagem pela América Latina

Foto:Archivo

Numerosos protestos da sociedade civil acompanharam a recente viagem do vice-presidente norte-americano Michael Pence pela América Latina. O político, ao invés de conversar sobre as relações do novo governo dos EUA com o continente, preferiu focalizar a Venezuela, alvo de uma campanha midiática sem precedentes.

Colômbia, Chile, Argentina e Panamá foram os países visitados por Pence, para cujo governo a Venezuela representa um perigo, portanto, pediu apoio da região para resolver a crise, segundo suas palavras, no país sul-americano.

Em cada nação, reiterou as ameaças contra Caracas do governo de Donald Trump que já tomou medidas e aplicou sanções apoiadas pelas autoridades de nações como Colômbia e Argentina, que dizem estar muito preocupadas com a situação venezuelana, contudo não prestam atenção ao que está se passando em seus países.

O vice-presidente norte-americano afirmou que uma das prioridades é “concentrar esforços” para conseguir o que ele definiu como o “restabelecimento da democracia na Venezuela”, em outras palavras, afastar da presidência Nicolás Maduro, que foi eleito democraticamente pelo povo venezuelano nos pleitos de 2013.

Pence parece desconhecer a história. O único perigo para a região sempre têm sido os sucessivos governos norte-americanos; o próprio governo do ex-presidente Barack Obama, que entrou na Casa Branca pregando novas relações com América Latina acabou seguindo o jogo da extrema direita e declarou a Venezuela como um risco para a segurança nacional.

Pence também ignora o tradicional apoio dos Estados Unidos às ditaduras militares, aos golpes de Estado contra governos eleitos pelo povo, o treinamento na conhecida Escola das Américas de torturadores e violadores dos direitos humanos e sua participação do Plano Condor na América Latina que se aplicou na década de 1970 para exterminar os opositores políticos.

Deixa de lado, também, a política solidária e humanista que, com seus irmãos latino-americanos, pratica a Venezuela desde a vitória da Revolução Bolivariana em 1999, que se converteu em referência no mundo por salvaguardar os direitos humanos elementares de seus cidadãos.

O petróleo venezuelano está no centro do ataque do governo do presidente Donald Trump que não excluiu a opção militar revelando as verdadeiras intenções dos EUA.

Embora algumas nações membros da OEA – Organização de Estados Americanos – tenham atacado o governo constitucional do presidente Nicolás Maduro e manifestado seu apoio às medidas políticas e econômicas contra esse país, não admitem nenhuma intervenção militar em território venezuelano.

Vale recordar que as manobras de condenar a Venezuela e aplicar a chamada Carta Democrática não prosperaram devido ao apoio de nações, especialmente caribenhas, que se negaram categoricamente a participar de uma ação ilegal e de intromissão nos assuntos domésticos do povo venezuelano.

No Panamá, durante a visita de Pence, os manifestantes rechaçaram que o Canal fosse utilizado de plataforma para agredir outros povos.

Para os latino-americanos, a viagem de Pence viola a soberania de toda a região, e deixaram claro: é inadmissível a intromissão nos assuntos internos de outros países, porquanto só aos venezuelanos corresponde resolver seus problemas.


 


 


 

Editado por Lorena Viñas Rodríguez



Comentários


Deixe um comentário
Todos os campos são requeridos
Não será publicado
captcha challenge
up