Cuba rejeita decisão do presidente dos EUA de reverter aproximação bilateral

Havana, 17 de junho (RHC).- O governo cubano rejeitou as declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, encaminhadas a reverter a política do seu antecessor, Barack Obama, que teve avanços na aproximação entre os dois países.

Trump fez discurso ontem em Miami e assinou uma diretiva presidencial que elimina o intercâmbio no setor educacional, reforça o controle das viagens de cidadãos norte-americanos a Cuba, proíbe as transações econômicas, comerciais e financeiras de companhias dos EUA com empresas cubanas, além de outras medidas que tencionam privar esta nação de seus ingressos.

O chefe de Estado tentou justificar sua postura ao externar sua suposta preocupação com a situação dos direitos humanos em Cuba, e a necessidade de aplicar à risca as leis do bloqueio, vigente desde o começo da década de 1960, e colocou condições à suspensão dessa política.

O governo cubano denunciou que o novo pacote destinado a endurecer o bloqueio fracassará, como aconteceu com todas as medidas aplicadas antes, e não alcançará seu propósito de enfraquecer a Revolução nem dobrar a vontade do povo.

A população cubana desfruta de direitos e liberdades fundamentais, e mostra conquistas que hoje são um sonho para muitos países do mundo, entre elas o acesso universal e gratuito aos serviços de saúde e educação, a seguridade social, os direitos da infância e a paz, ressalta a resposta das autoridades cubanas ao discurso de ontem do presidente Donald Trump em Miami.

Editado por Lorena Viñas Rodríguez



Comentários


Deixe um comentário
Todos os campos são requeridos
Não será publicado
captcha challenge
up