Cuba denuncia ingerência dos EUA nos assuntos internos

Havana, 1° de dezembro (RHC).- O ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez, tachou de inaceitável a ingerência dos EUA nos assuntos internos deste país.

“Denunciamos a participação direta do seu Encarregado de Negócios na incitação e assistência a atos ilegais contra a ordem pública e as normas sanitárias da Covid-19”, postou no Twitter referindo-se à postura de funcionários da embaixada norte-americana em Havana, especialmente de Timothy Zúñiga-Brown, de apoio direto a provocações violando a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

Por sua vez, Carlos Fernández de Cossío, diretor-geral para os EUA no ministério das Relações Exteriores, denunciou a participação do governo norte-americano na farsa do chamado Movimento San Isidro.

“Cuba não vai tolerar dos EUA a intervenção nos assuntos internos e sempre defenderá seu direito à autodeterminação”, declarou em entrevista no principal telejornal desta Ilha.

Indicou que o diplomata esteve várias vezes no lugar onde se realizava uma suposta greve de fome e inclusive transportou pessoalmente alguns dos participantes do show midiático, e ressaltou que noutras ocasiões a embaixada nesta capital tem apoiado figuras e ações desse tipo.

Disse que o governo dos EUA e seus organismos de segurança têm conhecimento e permitem que se ofereçam nas redes sociais pagamentos a quem perpetrar atos terroristas em Cuba, o que faz parte da política de agressões de Washington. “Os funcionários diplomáticos dos EUA atuam como se estivessem acima da lei”, indicou Fernández de Cossío.

Editado por Lorena Viñas Rodríguez



Comentários


Deixe um comentário
Todos os campos são requeridos
Não será publicado
captcha challenge
up